A importância da alimentação no emagrecimento

O sonho de perder peso e chegar à forma que sempre almejamos é repleto de caminhos, uns mais tortuosos, outros menos. Para alcançar as metas de perda de peso é importante levar em consideração diversos fatores associados. Entender, por exemplo, que se matar por horas e horas na academia, com excesso de peso, exercícios sem planejamento, pode não dar tantos resultados quanto a simples mudança de alguns hábitos alimentares. Uma transformação para uma alimentação adequada pode trazer resultados rápidos, mesmo sem exercícios. A ingestão de alimentos saudáveis somadas ao uso de uma suplementação natural como o Ultra Slim System são ingredientes importantes nesta luta.

Primeiramente, é importante repensar a sua alimentação. Parar e se perguntar, por que estou comendo tanto? Estou realmente com fome? Como por precisar ou por ter na minha frente? Após esses questionamentos adote alguns truques, como usar pratos e copos menores, o que fará colocar menos comida e bebida nesses recipientes. Outra coisa é não comprar alimentos que você sabe que não deveria comer, em vez de encher o carrinho do supermercado de salgadinhos, refrigerantes, doces, pães e afins, coloque comidas de verdade – vegetais, frutas, legumes, carnes. Use a inércia ao seu favor, afinal, se você só possui alimentos saudáveis em casa, você acabará comendo-os com mais frequência. O inverso também é verdadeiro, quanto mais comidas não saudáveis coloca em sua dispensa, pior comerá e tornará mais difícil a sua perda de peso.

Durante as refeições, não ceda à pressão social de “termine o seu prato”. Essa é uma tradição extremamente complicada passada a diante há muitos anos e faz parte de nossa cultura. Caso seja você que esteja a servir a sua comida, coloque pouco, caso tenha vontade de repetir, faça. Porém, quando servirem seu prato de forma excessiva peça para reduzirem ou simplesmente não coma quando já estiver satisfeito. Não foi culpa sua a montanha de comida que estava em seu prato, não há nada que o obrigue a comer. E na hora das sobremesas? Sabe aquele chocolate ou doce que sentimos necessidade após o almoço? Ele pode ser natural, uma fruta saciará essa vontade. Habitue-se a carregar a sua fruta favorita na mochila e comê-la após as refeições mais salgadas.

Alimentação saudável e a perda de peso também exigem um balanceamento ideal das substâncias necessárias ao funcionamento de nosso organismo. Neste sentido, é importante agregar a sua reeducação alimentar o suplemento natural Ultra Slim System, uma grande maneira de promover o metabolismo, tornando a queima de gordura mais eficaz. Dessa forma, você perderá peso mais rapidamente e de forma saudável. O Ultra Slim System, por ter uma fórmula 100% natural, é um excelente auxiliar na promoção de uma alimentação mais saudável, fundamental para a perda de peso. A capacidade que o Ultra Slim System possui de aumentar o tempo de exposição dos nutrientes no estômago gera uma melhora considerável na digestão dos alimentos, principalmente os açúcares e as gorduras – um significativo fator ao emagrecimento.

Você já experimentou a dieta da proteína?

Quem quer mesmo emagrecer, já tentou de tudo. Copos de limão todas as manhãs, em jejum, para desintoxicar e perder peso, semanas à base de sopas e caldos ralos, ou trocar as comidas por misturas cor de terra sem gosto algum, os chamados shakes. As loucuras às quais as pessoas se submetem para tentar perder peso são inúmeras. Mas, e se em vez de procurar esses métodos estranhos de emagrecimento você apenas fizesse algumas mudanças na sua alimentação? Mudanças inteligentes que fizessem sentido para o seu corpo? Algo, assim, como a dieta da proteína.

A dieta da proteína funciona e de um jeito muito fácil de entender. Ela propõe uma redução no consumo de carboidratos, levando a taxa desse nutriente lá pra baixo, substituindo-o por proteínas. Fazendo isso, ela obriga o organismo a procurar outras fontes para gerar energia – a gordura e a proteína. Isso diminui a produção de pneuzinhos novos – diminuindo a energia produzida, diminui-se também a energia que pode vir a ser acumulada se não for gasta – e também estimula o corpo a usar as gorduras existentes para ter combustível para suas atividades, ou seja, queima as gorduras dos pneuzinhos indesejados e evita que mais gordura seja estocada!

Mas nem só de vantagens e benefícios se faz uma dieta da proteína. Com essa dieta a pessoa fica praticamente impedida de fazer atividades físicas ou praticar esportes. Isso porque o carboidrato além de ser o principal nutriente para os músculos, para que possam desempenhar bem suas funções, é fundamental para a regeneração depois dos exercícios. Ou seja, sem eles na alimentação, o desgaste fica praticamente insuportável. Além disso, esse processo de síntese de gorduras e proteínas não é muito confortável e apropriado para o corpo humano. Ao gerar energias dessas fontes, o processo metabólico deixa resíduos no organismo – os chamados corpos cetônicos – que além de tóxicos podem causar uma série de efeitos desagradáveis, como dores de cabeça, enjoos, sensação de fraqueza e tontura. É por essas e outras que sempre se recomenda que, ao menor sinal desses sintomas, seja interrompida a dieta da proteína.

Seja como for, o fato é que a dieta da proteína tem seus prós e seus contras, mas com certeza já ajudou muita gente a conseguir suas metas estéticas. Talvez ela sirva pra você, talvez não. Só existe um jeito de saber. Tente! Faça uma consulta com profissionais qualificados e tire suas dúvidas sobre a dieta da proteína. Quem sabe assim você encontra a forma ideal que procura há tanto tempo.

Dica extra: depois de passar pela dieta da proteína, experimente voltar à sua alimentação normal usando Cenaless. Você vai perceber que ficou mais disposta e com menos apetite. Faça um teste!

Saiba como a Dieta da Proteína funciona

Dentre as diversas e mais inusitadas dietas que existem – dieta da sopa, dieta da USP, dieta da lua, etc. – uma que tem conquistados vários adeptos é a dieta da proteína. Pelo fato de possuir um método bem simples de ser seguido, pelo menos em teoria, a dieta da proteína ganha fãs todos os dias. A ideia por trás dessa dieta é bem simples: levar o consumo de carboidratos para o mínimo possível, substituindo-os por proteínas.

Um menor número de carboidratos na alimentação representa menos açúcar convertido em energia, e menos energia produzida é igual a menos gordura para ser guardada como reserva. Uma conta fácil e inteligente.

Mas algumas ressalvas precisam ser feitas. Por exemplo, a dieta da proteína não é recomendada para pessoas que praticam exercícios regularmente. Isso porque o nosso corpo utiliza os carboidratos não só como combustível para essas atividades, como também para ajudar os nossos músculos a se recuperarem do desgaste causado pelos exercícios. Por isso a dieta da proteína é geralmente recomendada a pessoas que não praticam nenhum tipo de atividade física. Além disso, por causa das consequências que sofremos com a diminuição de carboidratos na corrente sanguínea, essa dieta não deve ser mantida por muito tempo. Recomenda-se

fazer uso da dieta por 15 dias e, no máximo, se houver necessidade, prolongá-la por mais 15. Entre um período e outro, porém, é necessário que a pessoa coma normalmente, inclusive ingerindo carboidratos, pois a restrição desse nutriente por muito tempo pode causar dores de cabeça, náuseas, fraqueza, tontura e outros sintomas desagradáveis.

Veja o que pode e o que não pode na dieta da proteína:

COMIDAS PERMITIDAS COMIDAS PROIBIDAS
Abobrinha verde; Acelga; Agrião; Água com gás; Alface; Aspargos; Atum; Aves; Azeite; Azeitona com tempero; Bacalhau; Bacon; Berinjela; Brócolis; Camarão; Caranguejo; Carnes; Caviar; Cebola; Cenoura; Chicória; Chuchu; Cogumelo; Couve; Couve-flor; Espinafre; Frango; Jiló; Lagosta; Limão; Lingüiça; Manteiga; Margarina; Mexilhões; Nabo; Omelete; Ostra; Ovos; Peixe; Pepino; Pimenta; Pimentão; Presunto; Queijos industrializados; Quiabo; Rabanete; Repolho; Sal; Salada verde; Salaminho; Salsa; Sashimi; Sopa de legumes; Sukiaki sem macarrão; Tomate; Vagem Abóbora; Açúcar; Adoçantes com Frutose ou Lactose; Almôndegas; Amendoim; Amidos; Arroz; Balas; Balas diet; Banana; Batata; Beterraba; Biscoito; Bolachas; Bolos; Caju; Cará; Carboidratos; Catchup; Catupiry; Cereais; Chicletes; Doces; Ervilhas; Farinha; Feijão; Figos; Frutas; Frutas Secas; Geléia; Leite; Macarrão; Mandioca; Massas em Geral; Mel; Milho; Mortadela; Panquecas; Pão; Passas; Petiscos; Pomarola; Pomodoro; Queijo Fresco e Mineiro; Salsicha; Soja; Sorvetes; Suco de Frutas; Tâmaras; Trigo; Yogurt; grão-de-bico; lentilha; uva; figo; ameixa; caqui; castanha; coco; jaca; marmelo; nêspera; tâmara; amêndoa; tamarindo
BEBIDAS PERMITIDAS BEBIDAS PROIBIDAS
Chá, Chá-Mate, Chá de Ervas com adoçante, Refrigerantes Light (em poucas quantidades), Café amargo ou com adoçante, Água Tônica Diet. Leite, Iogurte, Whisky, Achocolatados, Refrigerantes, Vinho, Água de Coco, Água Tônica, Sucos em Caixinha e Caseiros de qualquer sabor.

Por que não experimentar? Quem sabe, talvez a dieta da proteína seja perfeita pra você!

Alternativas à Dieta da Proteína

Todos sabemos que o mercado atual está transbordando com as mais diversas dietas, algumas controversas, outras com o apoio de especialistas, e outras ainda com depoimentos inspiradores de pessoais que alcançaram o resultado desejado.

Uma das dietas que a tempo se destaca, principalmente depois da chegada da internet, é a dieta da proteina. O processo é bastante simples: a intenção dessa dieta é reduzir ao maximo o consumo de carboidratos, substituindo esse nutriente por proteína. As restrições se aplicam a diversos alimentos, especialmente da familia dos pães e massas.

As carnes, muitas vezes consideradas inimigas das dietas, são permitidas, afinal são riquíssimas em protéina. Esse aparente desequilibrio entre carboidratos e proteínas certamente pode favorecer o processo de emagrecimento e a queima de gordura.

Mas, como você deve saber nem tudo são flores na dieta da proteína, e muitos já procuram outras alternativas. Saiba que quando não há consumo de carboidratos, o corpo não dispõe do ingrediente necessário para gerar energia e necessita buscar outra opção. O seu corpo então recorre às proteínas e as gorduras, porém tal processo, chamado de Cetose, não possui a simplicidade da síntese de carboidratos pelo fato de ser extremamente demorado, ou seja, seu corpo não consegue dissolver os compostos de proteína e gordura tão rápido quanto faz com os carboidratos. Além disso, esse processo deixa resíduos que podem ser nocivos as celulas. Como consequência é comum sentir mal estar, dores no corpo, e fraqueza no geral.

Uma interessante alternativa à dieta da proteína é a Manga Africana, ou Extrato de Irvingia Gabonensis, um novo produto no Brazil cuja finalidade é agir como um bloqueador de carboidratos. Ou seja, você continua comendo o que quiser, mas a Manga Africana diminui a quantidade de carboidratos absorvida pele seu corpo, estimulando a queima de gordura e perda de peso. O extrato de Manga Africana tambem é riquíssimo em antioxidantes, que agem elevando os seus níveis de disposição e energia, o que por si só já é uma grande vantagem em cima da dieta da proteína convencional. Recomendamos a Manga Africana aqui pois trata-se de um produto 100% natural e sem contra indicações.

Porém apesar da controvérsia em relação a dieta da proteína, não lhe faltam depoimentos e histórias de sucesso. Portanto, mantenha a mente aberta, pode ser que a dieta da proteína funcione bem pra você, mas a regra geral ainda é a mesma: é sempre válido procurar e consultar o médico antes.

Prós e contras da dieta japonesa

Dieta Japonesa

Dieta Japonesa

A dieta japonesa – como toda e qualquer dieta – não é nenhuma fórmula incrível que funciona pra todo mundo. Ela é um método de emagrecimento, que tem uma certa lógica, que pode funcionar melhor com umas pessoas do que com outras. Assim como as outras dietas, a dieta japonesa também vai precisar que você tenha muita dedicação, autocontrole e força de vontade para conseguir os resultados prometidos. Quais são, então, as vantagens e desvantagens da dieta japonesa?

Uma das vantagens – talvez a mais procurada por pessoas que querem perder peso – está no fato da dieta japonesa realmente possibilitar uma grande perda de peso em pouco tempo. Há testemunhos de pessoas que perderam até 6 quilos seguindo essa dieta por apenas uma semana. Ela ainda pode ajudar a regular o nível de açúcar no sangue, dada a restrição de carboidratos que propõe. Porém, a dieta japonesa, se seguida por muito tempo, pode causar enjoo, tontura, dor de cabeça e fraqueza em todo o corpo. Nunca utilize a dieta japonesa por mais de 15 dias consecutivos.

Seguir a dieta japonesa é muito simples. Dê uma olhada na tabela abaixo:

Dieta Japonesa 1º dia 2º dia 3º dia 4º dia 5º dia 6º dia 7º dia
Café da manhã 1 ou 2 só 3 só 3 só 3 só 3 só 3 só 3
Almoço 4 ou 5 5, 6 ou 7 4, 8 ou 9 10, 11 ou 12 9 ou 13 só 14 6 ou 7
Jantar 6 ou 15 16 17 18 ou 19 20 4 21


Cada número na dieta japonesa corresponde a um grupo ou uma porção de alimentos que deve ser seguida rigorosamente. A legenda da tabela segue abaixo:

GRUPO PORÇÃO
1 Café amargo ou com adoçante – nunca com açúcar
2 Chá com adoçante – nunca com açúcar
3 Café biscoitos tipo água e sal
4 Dois ovos cozidos com pouco sal
5 Verduras à vontade
6 Um bife grande
7 Frutas à vontade
8 Salada à vontade
9 Tomate à vontade
10 Um ovo cozido
11 Cenoura crua ou cozida
12 Uma fatia de queijo – prefira queijos brancos
13 Filé de peixe – de preferência grelhado
14 Frango assado à vontade – evite a pele
15 Salada de pepino
16 Só presunto à vontade
17 Presunto, salada de repolho, cenoura e chuchu à vontade
18 Salada de frutas à vontade – sem creme ou açúcar
19 Iogurte natural
20 Bife e salada de frutas à vontade
21 Comer o que quiser dentro do regime

 

Conheça a dieta do carboidrato

Dieta do Carboidrato

Dieta do Carboidrato

Dentre as diversas ofertas de dietas e programas de emagrecimento disponíveis no mercado, existem aquelas que são tidas como controversas, que têm a sua funcionalidade questionada por especialistas, ao mesmo tempo em que trazem testemunhos apaixonados de pessoas que conseguiram mudar suas vidas. Dentro desse grupo, com certeza, você vai encontrar a dieta do carboidrato.

A dieta do carboidrato é simples: ela propõe uma redução drástica na ingestão de carboidratos, levando o nível desse nutriente a algo bem próximo do zero. Pães, massas, batatas, milho e uma série de outros alimentos ficam restritos, ao passo que muitos alimentos tidos como vilões das dietas são permitidos, como a carne vermelha por exemplo. Esse desequilíbrio nos nutrientes que a dieta do carboidrato proporciona tem consequências no nosso organismo que ajudam a perder peso, mas é aí que mora parte da controvérsia em torno dessa dieta. Não ingerindo carboidratos, o corpo precisa buscar matéria-prima para transformar em energia em outro lugar. Onde? Nas proteínas e nas gorduras. Acontece que esse processo – chamado de Cetose – não é tão simples quanto a síntese de carboidratos. O corpo demora mais pra quebrar as moléculas de proteína e gordura, além de esse processo deixar resíduos – conhecidos como corpos cetônicos – que são tóxicos, nocivos às nossas células. A consequência é: dores de cabeça, enjoos, náuseas, tonturas, cansaço, fraqueza entre outros. Outro problema está ligado a estudos que mostraram que, a maior parte do peso perdido ao seguir a dieta do carboidrato é composta de líquidos e massa magra, ao invés de serem perdidas as gorduras localizadas.

Mas a dieta do carboidrato, apesar de tudo, tem recebido cada vez mais relatos empolgados de pessoas que conseguiram atingir seus objetivos e perder os quilos que desejavam. Os números são bem pretensiosos: 4 quilos em uma semana, 9 quilos em quinze dias, e por aí vai. Ao reduzir a quantidade de carboidratos, diminui-se também a quantidade de energia produzida para o corpo e é essa energia em excesso, que não é gasta ao longo do dia, que é transformada nos pneuzinhos que tanto conhecemos e odiamos. Essa redução também ajuda aqueles preguiçosos e sedentários a perderem peso, inclusive impede a pessoa de praticar esportes, atividades e exercícios físicos. Uma vez que os carboidratos são a principal fonte de combustível para os músculos, bem como ajudam na recuperação após as atividades, quando a pessoa reduz o consumo pela dieta do carboidrato recomenda-se não praticar nenhum exercício, pois o estresse para o corpo pode ser muito prejudicial.

Enfim, polêmica ou não, a verdade é que a dieta do carboidrato já funcionou pra muita gente. Pode não funcionar para todos, claro, mas se não houvesse tantos casos de sucesso, com certeza a dieta do carboidrato não teria alcançado a fama que tem hoje.

 

Como perder a barriga em casa

Exercícios para perder a Barriga

Exercícios para perder a Barriga

Quer conhecer alguns exercícios para perder barriga sem sair de casa? Isso mesmo. Existem diversos exercícios que podem ser feitos em qualquer lugar que ajudam você a eliminar a barriguinha e ficar pronta para desfilar na praia de biquíni. Você só precisa vencer a barreira da preguiça e começar! E saiba que, se você conseguir reunir o esforço necessário para fazer alguns exercícios para perder barriga, bem como começar uma dieta, ou uma reeducação alimentar, prestando atenção nas suas refeições, evitando comer muitos doces e porcarias industrializadas, perder a barriga vai ser um processo mais fácil e menos sofrido do que imagina. Mas advertimos: se algum desses exercícios causar algum desconforto, pare imediatamente e procure orientação profissional. As informações aqui prestadas são somente dicas para ajudá-la a se sentir melhor, e não devem nunca substituir a instrução técnica de um personal trainer. Veja agora alguns exercícios para perder barriga para fazer no conforto da sua casa!

1) Deitada no chão confortavelmente, prenda os pés em algum apoio com, por exemplo, a parte de baixo do sofá da sala. Levante todo o seu corpo sem nenhum apoio, apenas com a contração do seu abdômen. Retorne à posição inicial. Faça todo o movimento sem pressa e da maneira mais suave possível. Repita quantas vezes conseguir, sem que haja sofrimento.

2) Deite-se no chão, mantenha o corpo reto e confortável. Flexione as pernas e coloque as mãos atrás da cabeça, mantendo atenção para não forçar o pescoço. Faça ambos os movimentos ao mesmo tempo: levante os joelhos em direção à cabeça enquanto leva a cabeça em direção aos joelhos, sempre prestando atenção nos músculos abdominais, percebendo o seu trabalho e esforço. Tente repetir até 20 vezes.

3) Deite no chão com a barriga pra cima, em uma superfície rígida, porém confortável, contraia o abdômen e levante ambas as pernas em direção ao teto. Mantenha as pernas nessa posição por alguns segundos e retorne-as para a posição inicial. Faça de 15 a 20 repetições, pois são ótimos exercícios para perder barriga.

4) Deite no chão, barriga pra cima, superfície plana e agradável. Flexione os joelhos e mantenha os dois pés no chão. Olhando o tempo todo para o teto, leve as mãos atrás da cabeça, pouco acima da nuca, eleve o tronco alguns centímetros e expire. Quando voltar à posição inicial, inspire. Faça 4 séries de 10 a 15 repetições.

5) Deitada em uma superfície confortável, de barriga pra cima, flexione os joelhos e mantenha os pés no chão. Coloque os dedos atrás da cabeça e faça um movimento simultâneo aproximando o cotovelo esquerdo do joelho direito, trazendo a perna e levantando o tronco, ao mesmo tempo em que estica a perna esquerda. Faça o mesmo invertendo os lados. Tenha em mente que o que deve projetar sua cabeça pra cima são os músculos do seu abdômen, e não as suas mãos. Faça até 20 repetições.

 

Eu tentei a dieta da USP

Dieta da USP

Dieta da USP

Muitas de vocês já devem ter passado pelo que eu passei. Vinha de um relacionamento de 4 anos que tinha dado errado e, para dar uma melhorada na autoestima, resolvi tentar uma dessas dietas que existem por aí. A internet está repleta de receitas e dietas que dizem ajudar a emagrecer.

Pois bem. Eu pesava 68 quilos, distribuídos nos meus 1,70m de altura e queria chegar à marca dos 60. Perder um pouco a barriga, afinar a cintura e tirar um pouquinho de gordura do bumbum. Depois de muito pesquisar, resolvi tentar a famosa Dieta da USP.

Os dias ficaram bastante longos. Ao final do primeiro dia a sensação de vazio e fome era imensa. Apenas ovos e folhas, o dia inteiro, e em quantidades nunca suficientes. Mas tudo bem, o resultado era promissor. Mantive a fé e continuei. No segundo dia, com bife e frutas, já me senti melhor, embora a janta com apenas presunto não tenha me animado muito. O terceiro dia começou com alguma dor de cabeça e muita vontade de desistir, mas como a balança já marcava algo em torno dos 66,5kg, me animei e segui em frente. Mas, no quarto dia eu já não agüentava mais aquele café da manhã pobre e amargo, com bolachinhas e café sem açúcar, porém a salada de frutas com iogurte no jantar deu uma ajuda para seguir em frente. O quinto dia começou com muita dor de cabeça, um pouco de enjoo (pensei que fosse precisar correr pro banheiro, mas foi só impressão) e uma fraqueza que me acompanhou o dia inteiro. O frango grelhado no almoço me ajudou a matar a saudade da minha alimentação normal. No sexto dia eu já me sentia melhor e o sétimo dia passou voando, talvez pela animação em estar acabando aquele martírio. O resultado tinha valido a pena: 6 quilos a menos em 7 dias. Fiquei tão empolgada com a balança que decidi enfrentar a tal dieta da USP por mais uma semana. No total foram 10,5 quilos em 14 dias.

Nem preciso dizer que assim que essa dieta da USP acabou eu fui correndo para a geladeira. Voltei à minha alimentação normal, feliz e contente com meu novo peso, mais baixo do que tinha estabelecido como meta. Porém, não demorou muito e, um a um, todos os quilos que sofri tanto para perder voltaram para onde estavam. Em menos de 2 meses eu já tinha recuperado todos os meus 68 quilos, além de 2 quilinhos extras. A dieta da USP que havia dado uma levantada boa na minha autoestima agora, com suas consequências, me jogava pra baixo.

Hoje eu sigo um programa de emagrecimento saudável, com acompanhamento médico e venho perdendo peso gradualmente. Dieta da USP, pra mim, nunca mais.